Quem Somos

O Ñhengatú é um instituto sem fins lucrativos que visa fortalecer a sociedade civil por meio do letramento informacional e do desenvolvimento de tecnologias livres e abertas. Nosso propósito é ajudar organizações e iniciativas que atuam nos territórios delimitados a lidarem com oportunidades e desafios derivados da digitalização social.

Acreditamos na organização do conhecimento e na tecnologia como ferramentas de transformação. O letramento informacional – desenvolver um conjunto de competências e habilidades para que as pessoas possam compreender, interpretar e atuar no mundo tomado pela linguagem digital – será uma das bases para a construção de uma sociedade civil forte e atuante no século XXI.

Somos catalisadores de impacto social. Nossa função última é cultivar a autodeterminação, a auto-organização e a autoperpetuação das iniciativas que compõem a sociedade civil. São elas as reais protagonistas.

Nossa atuação é territorializada. Concentramos nossos esforços em uma localidade por vez, de modo que possam ser criadas soluções específicas e adaptadas às necessidades de cada região. Mas é claro que os aprendizados, conhecimentos e soluções acumulados em um projeto podem ser reaproveitados para outras regiões. Por isso defendemos a criação de tecnologias abertas e livres, que possam ser replicadas gratuitamente.

Captação de recursos descentralizada. O foco de atuação é delimitado, mas não há fronteiras para captar recursos e reunir esforços. Qualquer pessoa em qualquer lugar pode colaborar, por exemplo: com o desenvolvimento de softwares de código aberto, auxílio ou consultoria eventual de especialistas (como advogados, designers, engenheiros, arquitetos etc.), cursos e treinamentos online, divulgação de trabalhos e campanhas, entre outros 

Nome

Ñhengatú (ou nheengatu) é uma língua indígena, da família de línguas Tupi-Guarani, vertente setentrional amazônica da língua geral, falada por indígenas, jesuítas e colonizadores na região da Amazônia.

Formada a partir do encontro do Tupi-Guarani com o Português estrangeiro, o Ñhengatú é uma língua miscigenada, embebida de diferentes culturas e tradições. Recentemente, passou a ser utilizada por comunidades indígenas no Brasil que haviam perdido suas línguas originais, tornando-se um símbolo de resistência da identidade indígena em processo de desaparecimento.

A história do Ñhengatú é carregada por uma multiplicidade de sentidos e significações. É possível, por exemplo, vislumbrar uma conexão por meio da linguagem – entre o Tupi e o Português, e no nosso caso, entre o Analógico e o Digital.

A complexidade da tecnologia, ao mesmo tempo uma fonte de problemas e de soluções, nos desafia e, nessa exata medida, nos interessa. Como uma nova Ñhengatú, uma nova linguagem, a digitalização é tomada a partir de sua armação, a qual pode ter sido importada e em certo sentido até imposta, mas passível de ressignificação 

Equipe

Adriana Gregorut

Adriana Gregorut

Sócia-fundadora

Adriana Gregorut

Sócia-fundadora

Doutoranda em Direito e Desenvolvimento pela Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (Direito FGV SP). Pesquisadora em direito, sociedade e gênero.

Lévio Scattolini

Lévio Scattolini

Sócio-fundador

Lévio Scattolini

Sócio-fundador

Pesquisador em Sociedade e Tecnologia. Coordenador adjunto do Instituto Norberto Bobbio. Mestre em Teoria e Filosofia do Direito pela UERJ. Advogado.

César Barreira

César Barreira

Sócio-fundador

César Barreira

Sócio-fundador

Doutor em Teoria e Filosofia do Direito pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Coordenador científico do Instituto Norberto Bobbio.

Ana Lia Galvão

Ana Lia Galvão

Coordenadora de projetos

Ana Lia Galvão

Coordenadora de Projetos

Graduada em direito pela PUC-SP.

Marcus Pavani

Marcus Pavani

Coordenador de Desenvolvimento e Tecnologia

Marcus Pavani

Coordenador de Desenvolvimento e Tecnologia

Graduado em Engenharia Mecatrônica pela Escola Politécnica da USP e mestre em Engenharia Mecânica pela Universidade Técnica de Munique (Alemanha).

Thiago Ansel

Thiago Ansel

Coordenador de Comunicação

Thiago Ansel

Coordenador de Comunicação

Doutor em Comunicação e Cultura pela UFRJ, atuando há mais de 10 anos em organizações da sociedade civil.